Praga Judia

O gueto judeu de Praga também estava experimentando a sua época de ouro.

O imperador confirmou os privilégios judeus e a Cidade judaica floresceu como nunca antes durante o seu reinado.

Naquela época foram construídas as Sinagogas Maisel, Pinkas e Alta, bem como a Câmara Municipal e muitos outros edifícios públicos e privados. Atuaram em Praga escolas talmúdicas famosas e foram criadas grandes obras literárias e científicas. Também houveram impressoras de hebraico. Yehuda Liva ben Becalel, conhecido como Rabino Löw, é a figura lendária da antiga Praga judaica. Embora que ele passou apenas uma parte da sua vida em Praga, ele está enterrado no Cemitério Judaico local e se tornou famoso como o criador do Golem mítico.

 

 

© Thinkstock, © City of Prague

Golem

O misticismo judaico descreve o Golem como uma estátua animada por homem. A imagem da figura humana feita de barro provavelmente tem origem no Egito antigo, onde há evidência literária dele em uma história da segunda metade do século VI a.C. No entanto, o Golem de Praga é um dos mais famosos. Diz-se que ele foi criado no final do século XVI, por o rabino judeu Yehuda Liva ben Becalel para proteger a Cidade judaica dos cristãos. Golem ressuscitou depois de introduzir um shem - um rolo - na boca e obedeceu apenas a pessoa que o apresentou. Sobre a destruição do Golem de Praga a lenda conta que um dia o rabino esqueceu de remover o shem da boca do Golem quando saiu para a sinagoga. Golem, sem nada para fazer, começou a quebrar os móveis valiosos, estátuas e todos os equipamentos da casa do rabino. A empregada, assustada, correu para a sinagoga pedir ao rabino que acabasse com os estragos do Golem. O rabino ordenou que o Golem parasse e puxou o shem da boca dele. E como o shem foi tirado durante um feriado judaico, o Golem se decompôs e virou pó. Diz a lenda que os restos do Golem foram depositados no sótão da Sinagoga Velha Nova, onde não se poderia entrar desde então. No passado, apenas duas pessoas receberam a permissão de explorar o lugar: em 1920 , o jornalista Egon Erwin Kisch procurou Golem sem êxito e na década de 80 do século XX, Ivan Mackerle tentou a sua sorte, usando um georadar. Mesmo assim, a figura do Golem segue vivendo apenas nas páginas dos livros. A mais famosa adaptação da lenda de Praga é o romance cujo autor é o escritor judeu de Praga, Gustav Meyrink.

 

 

 

O criador do Golem foi enterrado no Antigo Cemitério Judaico, que como por milagre sobreviveu todos os pogroms, remodelações e guerras na história de Praga. Os túmulos contém a bênção do falecido, a chamada oração de pedra, e alguns deles são, desde o século XVI, decorados com símbolos estranhos, cujo significado ainda não foi decifrado. Os mais frequentes são os símbolos de animais: um leão, um peixe, um cervo e um urso. Quando você encontrar o túmulo do rabino Löw, escreva o seu pedido em um pedaço de papel com uma oração. Diz a lenda que qualquer desejo vai ser cumprido.

Einstein, Kafka e o tocar do violino

E=mc?

Praga ofereceu durante um tempo refúgio a um dos maiores pensadores liderando com o mistério cósmico, Albert Einstein. O físico mais importantes do século XX veio a Praga, em abril de 1911, para ensinar física teórica na universidade Alemã local. Einstein viu muita promessa na sua estadia na Mãe das cidades, porque aqui foi finalmente capaz de dedicar-se exclusivamente ao trabalho científico. Em Praga, ele passou um ano e três meses, e durante este tempo, como ele mesmo afirmou, cruzou uma parte significativa do caminho para chegar à teoria geral da relatividade. Ele resumiu os seus agradecimentos à Praga em 1923, no prefácio da edição tcheca da interpretação da teoria de relatividade especial e geral: "Estou muito contente que este pequeno livro esteja agora publicado na língua nacional desse país, onde encontrei a concentração necessária para entender a ideia básica da teoria da relatividade geral, que eu tinha concebido já em 1908, e que eu gradualmente desenvolvi até sua forma definida."

 

   

Albert Einstein (1921), Franz Kafka (1912)

 

Durante a sua estadia em Praga, Einstein publicou onze obras. Porém, como foi confirmado pela lista de suas atividades, a vida dele ficou longe de virar apenas por volta da gravidade e a teoria da relatividade. Além de participar em um circo de música de quarteto de câmara, onde o professor excêntrico ia para encontrar paz, tocando violino, ele também costumava ser um convidado da companhia de filósofos que se reuniam no café Louvre na Rua Narodní e no salão de beleza de Berta Fanta, onde conheceu a elite intelectual de Praga. Visitantes frequentes incluíram o escritor Franz Kafka. Não se preservou nenhuma evidencia do encontro destes dois gigantes, podemos portanto só imaginar o que poderia ser o tema da conversa entre essas duas grandes personalidades, e assumir que este encontro hipotético pudesse os enriquecer de alguma forma. A própria ideia é tão sedutora, que dar espaço à sua imaginação pode ser difícil de resistir. Jiri Karasek de Lvovic, um poeta tcheco, considera esta abertura à criatividade uma característica típica da atmosfera local

"Praga é a única cidade onde você sente que você poderia encontrar alguém tão estranho, tão fatal para você que você pararia de repente, sem defesa antes de seu poder e sua influência."

Prague synagogues

Praga

Favoritos